pesquisar   


Terça-feira, 26 de Junho de 2012
As missas

Quando cheguei a Copenhaga fui à missa. Desde então, o meu currículo de missas não aumentou muito. Acho que as missas têm um maravilhoso valor cultural que poucas outras manifestações partilham. Talvez por isso, ou talvez por obra do acaso, ou talvez por obra do espírito santo, como diz a minha mãe, na minha mais recente visita turística à cidade onde as pessoas olham para um relógio com nome de pessoa para ver as horas, tenha ido parar a uma espécie de missa/cântico da tarde. Suponho que ir parar a um evento destes não seja muito dificil quando se é daqueles turistas que vai onde os guias indicam. O que creio que seja um pouco mais dificil é ficar na igreja onde o evento decorre até ao fim do mesmo. Foi isso que fiz.

 

Não sei se a minha catequista que dizia que eu tinha o espírito santo em mim tinha razão. Mas se tiver, o espírito santo que mora em mim está meio confuso. Fui baptizada na igreja católica, a oração e a missa mais recentes a que fui eram protestantes. E planeio que a próxima missa seja ortodoxa.



publicado por Undómiel às 22:40
link do post | comentar | ver comentários (2) | adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 12 de Novembro de 2009
O muro e o mundo, o de hoje

Na última semana falou-se muito sobre a Queda do Muro de Berlim. Na última semana eu li muito sobre o muro de Berlin. Na última segunda-feira comemoraram-se os 20 anos sobre a queda do muro.

Nos últimos tempos tem-se também falado sobre a questão dos minaretes na Suíça e do medo da "ocupação islâmica". Ironicamente, por um lado, festejamos a libertação e a união e, por outro, tentamos motivar a divisão. Por um lado assumimos os sinais do tempo e, por outro, tentamos rejeitá-los.

Com a queda do muro festejamos, um pouco, o capitalismo, que parece ter como consequência a globalização. Até aqui todos pareciam importar-se pouco com isso. Toda a gente parece adorar ter lojas da Zara onde quer vá, comparar os preços da Gant em vários países, etc. Mas quando se fala de construir locais de culto islâmico no ocidente ficamos de pé atrás. Quando é preciso assumir uma verdadeira consequência da globalização que não tem a ver com consumir, ficamos de pé atrás.

 

Definitivamente, ainda há muito a fazer na Europa e no mundo.

 

Dizia-se, no Público, que "hoje a imagem que estará talvez mais presente na mente das pessoas mais jovens já não é a da festa de Berlim mas a das Torres Gémeas de Nova Iorque. O que é feito das esperanças numa nova ordem mundial em que acreditávamos em 1989?". E a forma como faz sentido preocupa-me. O artigo está aqui.



publicado por Undómiel às 23:52
link do post | comentar | adicionar aos favoritos