pesquisar   

Terça-feira, 26 de Junho de 2012
A Carochinha e o João Ratão

Há cerca de uma ano atrás escrevia aqui sobre a minha primeira sauna e o seu valor socio-emocional. Cerca de um ano depois, volto ao país da sauna e volto, portanto, a fazer sauna. Volto a insistir em experimentar uma forma "tradicional" da coisa. Há um ano atrás, experimentei uma versão caseira e antiga. Desta vez, experimentei uma versão igualmente antiga, mas desta vez mais pública. Há um ano atrás, partilhei a sala aquecida com duas raparigas. Desta vez, partilhei a sala com dezenas de pessoas de todas as idades. A minha companhia preferida foi a senhora meia velhota mas fit, com um fato de banho discreto e um gorro típico que insistia em atirar água para as pedras. Ela não dirigiu uma única palavra àqueles que com ela partilhavam a sala naquela altura, mas parecia que queria torturar a percentagem estrangeira que a visitava naquele momento. Por momentos pensei que ela era, na realidade, uma espécie de bruxa escandinava que estava a tentar transformar todos os presentes em Joões Ratões. E depois saí da sala. E mergulhei nas águas geladas do lago mais próximo. Voltei a ser a Carochinha (se calhar porque tinha um fato-de-banho tamanho de criança e com duas listas cor-de-rosa vestidas).

 



publicado por Undómiel às 22:52
link do post | comentar | ver comentários (2) | adicionar aos favoritos

As missas

Quando cheguei a Copenhaga fui à missa. Desde então, o meu currículo de missas não aumentou muito. Acho que as missas têm um maravilhoso valor cultural que poucas outras manifestações partilham. Talvez por isso, ou talvez por obra do acaso, ou talvez por obra do espírito santo, como diz a minha mãe, na minha mais recente visita turística à cidade onde as pessoas olham para um relógio com nome de pessoa para ver as horas, tenha ido parar a uma espécie de missa/cântico da tarde. Suponho que ir parar a um evento destes não seja muito dificil quando se é daqueles turistas que vai onde os guias indicam. O que creio que seja um pouco mais dificil é ficar na igreja onde o evento decorre até ao fim do mesmo. Foi isso que fiz.

 

Não sei se a minha catequista que dizia que eu tinha o espírito santo em mim tinha razão. Mas se tiver, o espírito santo que mora em mim está meio confuso. Fui baptizada na igreja católica, a oração e a missa mais recentes a que fui eram protestantes. E planeio que a próxima missa seja ortodoxa.



publicado por Undómiel às 22:40
link do post | comentar | ver comentários (2) | adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 25 de Junho de 2012
Voltar ou não voltar

Hoje, por qualquer razão, lembrei-me de espreitar as estatísticas deste blog. Já o dei como "morto" várias vezes, e por várias vezes voltei a escrever. É certo que pouco depois o entusiasmo se dilui.

Esta visita de hoje ao google analytics obrigou-me a voltar a escrever aqui. Depois de reler alguns posts, fiquei cheia de pena que as estatísticas mais recentes sejam de 0 visitas.
Também sei que não posso prometer voltar a postar em breve, mas fica o marco de que ainda me preocupe com este cantinho roxo da internet. Caso volte a inspiração, talvez escreva qualquer coisa. Ultimamente, o assunto da existência deste espaço tem vindo à baila umas quantas vezes. Talvez isto seja a natureza (ou seja o que for que reje a aleatoriedade não numérica do mundo virtual) a querer dizer qualquer coisa. 



publicado por Undómiel às 20:47
link do post | comentar | adicionar aos favoritos