pesquisar   

Quarta-feira, 13 de Julho de 2011
Os 23 anos...

Ainda não cheguei aos 23 anos, mas à medida que os meus amigos que nasceram no mesmo ano que eu vão chegando, a minha reflexão vai progredindo. Não é que goste de sofrer por antecipação, é mais que gosto de pensar em coisas que não ajudam a mudar o mundo.

Essas minhas sessões de pensamento mais ou menos inútil conduziram-me à seguinte conclusão: "os 23 anos fazem parte do 'no man's land' das idades". O 'no man's land' das idades é, basicamente, o período que inclui as idades "sem personalidade". Os 20s marcam a transição entre a juventude e a adultez. Quando convém, diz-se que uma pessoa de 20 e poucos anos é um jovem, quando não convém, diz-se que se trata de um adulto responsável.

Durante a infância, dizem, a nossa consciência ainda não nos permite ser responsáveis porque ainda estamos a aprender o verdadeiro significado do conceito "responsabilidade". Depois disso, durante os "teen" temos direito a fazer dramas para aprender o que é isso de responsabilidade e a sociedade perdoa-nos as crises a que chama de "crises da adolescência". Depois disso, as crises começam a ser um caso mais sério e a responsabilidade é uma característica essencial do cidadão. Ainda assim, é comum falar-se da "crise dos 30" ou da "crise da meia-idade", etc. Nunca se ouve falar da "crise dos 20" ou da "crise dos 23".

Conclui-se, portanto, que o período que forma a "no man's land das idades" corresponde ao período da vida em que o potencial de felicidade atinge o seu pico. É o único período em que a consciência totalmente desenvolvida e conhecedora do conceito "responsabilidade" se consegue descolar das crises. Depois da crise da adolescência, sendo olhado como uma pessoa a ter em conta e com um contributo a dar ao mundo, mas ainda longe da crise dos 30, alguém com uma idade entre os 20 e os 25 pode ser a pessoa mais feliz do mundo.

Por outro lado, pensar que chegar ao 23 me deixa um ano mais perto dos 25 e do fim do potencial máximo de felicidade deixa-me num estado próximo daquilo que se poderia chamar de "crise."



publicado por Undómiel às 00:59
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Comentários:
De querida julia a 14 de Julho de 2011 às 09:15
Maura, nunca é tarde para ser feliz!


De Violeta a 3 de Janeiro de 2012 às 12:58
Amei o comentário (e a teoria formulada no post).


Comentar post