pesquisar   

Quarta-feira, 22 de Julho de 2009
tenho saudades de aveiro...

... e da rotina aveirense.

 

Das novelas,

do Clandestino e do Mercado negro,

dos jantares,

de ir para casa às 6h vinda do bar das residências,

das noitadas a estudar para os exames,

das minhas cortinas às riscas e dos móveis do IKEA,

de ouvir os amigos a falar mal das minhas relações,

da tomatada da Inês,

das idas ao Jumbo,

do carro do Luís,

de ir à Fanepão comprar croissants de manhã, antes de ir de fim-de-semana,

das noites sem fazer nada em casa do Neto,

das poesias,

as ideias surrealistas do João,

as divagações à la TVI com o Walter,

a arte, a filosofia e a lucidez com a Maria,

do Luís,

os cartuchos da Ramos,

de encontrar toda a gente nas várias mesas do DeCA, sempre com os seus portáteis à frente,

da Inês,

da Marília,

de conduzir o carro dos outros,

de fazer planos e não os cumprir,

de cozinhar para mais que uma pessoa,

do "cai neve em Nova Iorque",

de bater na janela do Álvaro à noite,

da Avenida do Oita,

de dormir numa cama de casal,

dos pássaros do vizinho de baixo,

do vinho tinto

... 



publicado por Undómiel às 02:55
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Comentários:
De violeta a 23 de Julho de 2009 às 01:22
Comecei, umas semanas depois de teres ido embora, um singelo mas sentido textinho. Nunca o publiquei porque nunca consegui terminá-lo. Por uma razão simples: não consegui que transmitisse tudo aquilo que queria dizer. (OMG, isto está a soar tão 'lame', não está?)

Anyway, deixo-te aqui e agora o rascunho. Seja o que Deus quiser. :P

"Sei exactamente a forma como pegas na colherinha de plástico para mexer o capuccino, da máquina do DeCA. O som do teu riso quando digo coisas parvas e sem nexo (só tu para lhes achares alguma piada). O olhar que fazes quando não alcanças a dificuldade em entender um gráfico vertical. A maneira como despenteias o cabelo quando estás farta de programar sempre a mesma coisa. O cheiro do creme que colocas nas mãos. As cores dos teus gorros fofinhos. Os gestos, as expressões, os diminutivos. O tom desafinado com que cantamos Spice Girls. A distância de Aveiro a Weimar: 1920km, que se torna tão insignificante quando te sinto por perto nestas pequeninas coisas que só entende quem passou por elas."

(Ok, definitivamente LAME.)

(Juro que isto não foi uma declaração de amor lésbica.)

(Desta vez.)


Comentar post